Buscar

BRINCAR NÃO É UMA OPOSIÇÃO À ORDEM SOCIAL, MAS UMA PARTE DELA.



FONTE ORIGINAL: https://educacaoludica.com.br/brincar-nao-e-uma-oposicao-a-ordem-social/


Por Rene Santos do Vale



Brincar é fundamental para a vida animal e humana. Biólogos evolucionistas que estudaram a brincadeira com animais identificaram que brincar é de vital importância, pois permite a prática de habilidades essenciais para a sobrevivência. Descobriu-se que a brincadeira também é significativa para a saúde mental e física dos animais e para o desenvolvimento social dentro das espécies.

Muitas descobertas de pesquisas sobre o brincar de mamíferos podem ser relacionadas às crianças, mas, além dessa ciência básica, é o trabalho dos filósofos que nos permitiu identificar o significado do brincar na vida humana.

Compreender a brincadeira entre culturas

O professor de pesquisa, Mihai Spariousu, sugere que o pensamento ocidental pode ser entendido entre posições pré-racionais (isto é, não aderindo às regras da lógica) e racionais (isto é, aderindo às regras da lógica) (Spariousu, 1989). É essa distinção, entre o racional e o não-racional, que Don Handelman, um professor de antropologia e sociologia, argumenta que levou a uma abordagem em que o brincar é contrastado fortemente com o não-brincar (Handelman, 1992). Por exemplo, é comum nas sociedades ocidentais distinguir o trabalho do lazer.

Frequentemente, a brincadeira é posicionada em oposição à ordem social, como algo subversivo e resistente a ela. Isso pode ser visto, por exemplo, no papel do tolo nas peças de Shakespeare, onde o papel era frequentemente usado não apenas como meio de transmitir humor, mas como meio de fazer julgamentos críticos sobre a ordem social e moral.

Em contraste, o jogo nas cosmologias hindus – conforme descrito no antigo texto em sânscrito, o Rig Veda. Nessa visão de mundo, brincar não é uma oposição à ordem social, mas uma parte dela.

Assim, os conceitos de jogo são fundamentalmente diferentes entre as culturas e, portanto, esta discussão começa com um reconhecimento de sua natureza complicada e enigmática. Na verdade, poderíamos argumentar que a complexidade é talvez a característica definidora do jogo.

Jogo como um sistema adaptativo complexo

Alguns teóricos do jogo vêem o jogo como um sistema dinâmico que está em constante mudança. VanderVen (1998), por exemplo, usa as teorias do caos e da complexidade para entender o jogo. Originária das ciências físicas, a teoria da complexidade informa o estudo de sistemas adaptativos complexos. Esses são sistemas compostos de muitos elementos interconectados que mudam em resposta ao ambiente no qual operam, como os ecossistemas.

VanderVen argumenta que o jogo é um sistema adaptativo complexo no qual a ordem pode emergir de ações caóticas, essa ordem então se divide em um caos aparente e esse processo é repetido novamente.

Observando crianças envolvidas em brincadeiras imaginativas durante um período de tempo, parece que esse ciclo de eventos pode acontecer e é certamente o caso de que tais eventos de brincadeiras são de natureza dinâmica.

Quaisquer que sejam as teorias utilizadas para compreender a brincadeira, sua importância e significado na vida cotidiana de crianças e adultos em todo o mundo está fora de questionamento.

Pense na importância da brincadeira para o desenvolvimento cognitivo, físico, emocional e social, dadas as extensas evidências de pesquisas que apóiam essa suposição. Mas brincar não é importante apenas no sentido de desenvolvimento; proporciona sustento cultural e agrega muito à qualidade de vida em todas as suas etapas. __________________________________________

Referências

Bergen, D. (2009) Play and Brain Development as Complementary Nonlinear Dynamic (Chaotic / Complex) Systems. Associação Americana de Pesquisa Educacional. [Este trabalho é distribuído sob uma Licença Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0 (CC-BY-SA 3.0) ]

Gleave, J. & Cole-Hamilton, I. (2012) A World Without Play: A Literature Review . Jogue na Inglaterra.

Handelman, D. (1992) Passages to play: Paradox and process. Play and Culture , 5, pp. 1-19.

Spariousu, Mihai I. (1989) Dionysus Reborn: Play and the Aesthetic Dimension in Modern Philosophical and Scientific Discourse . Ithaca, Nova York: Cornell University Press. [Amazon Link]

VanderVen, K. (1998) Play, proteus, and paradox: Education for a caotic and supersymmetric world. Em DP Fromberg e D. Begen (eds), Play from Birth to Twelve and Beyond: Contexts, Perspectives and Meanings (pp. 119-132). Nova York: Garland.

Whitebread, D. (2012) The Importance of Play . Indústrias de brinquedos da Europa.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

ABRE - Associação Brasileira de Recreadores

CNPJ: 05.927.168/0001-60